Maior nadador paralímpico da história do Brasil, Daniel Dias completou 31 anos no mês passado. Se prepara para aquela que será sua quarta e última Paralimpíada. Em três participações até hoje, são 24 medalhas paralímpicas, 14 delas de ouro.

A natação tem sido o esporte carro chefe do Brasil na Paralimpíada e, com as recentes mudanças no sistema de classificação nossas perspectivas para os Jogos de Tóquio 2020 estão bem afetadas. Fora André Brasil que foi considerado não mais elegível para a classe S10 o Brasil ainda viu muitos bons nadadores estrangeiros de classes superiores descerem para classes mais baixas. Entre os mais atingidos, está Daniel Dias.

Daniel desde os Jogos Paralímpicos do Rio 2016 perdeu os recordes mundiais dos 50, 100 e 200 metros nado livre, os 50 metros costas, os 50 metros borboleta. Na verdade, a conta seria melhor contabilizar os recordes que ele ainda mantém. Não foram batidos os recordes dos 200 medley e 100 costas, mas ambas as provas não constam do programa paralímpico. Ele ainda manteve o recorde dos 100 metros peito, mas subiu de classe da SB4 para a SB5, ou seja, mantém o recorde mas vai nadar na classe superior.

Isso coloca o nadador num cenário jamais visto em sua carreira. Vai para uma competição onde não é favorito para nenhuma prova, e o pior, todos os atletas que estão a sua frente vem de classes superiores, ou seja, com menor deficiência funcional.

O desafio é maior, e o Comitê Paralímpico Brasileiro está consciente disso. Vai ser muito difícil e improvável repetir as 19 medalhas da natação paralímpica no Rio 2016, 4 ouros, 7 pratas e 8 bronzes.

Neste final de semana, a natação paralímpica teve mais uma etapa do World Para Swim Series. Foi em Lignano Sabbiadoro, na Itália, a penúltima etapa da temporada. Nela, o italiano Antonio Fantim, atleta que esteve no Rio 2016 como classe S6 e foi reclassificado para o S5 quebrou mais uma marca bem expressiva. Fantim já havia retirado de Daniel Dias os recordes mundiais dos 50 e 100 livre, sendo que desta vez baixou mais de um segundo a sua marca nos 50 livre, de 31.16 para 30.06. O primeiro nadador S5 da história a nadar abaixo dos 31. Daniel Dias ainda mantém o recorde das Américas com 31.94.

Veja a lista dos recordes das provas que serão paralímpicas em Tóquio que eram mas não são mais de Daniel Dias:

Provas Novo recorde mundial Antigo recorde de Daniel Dias
50 livre Antonio Fantin da Itália 30.06 31.94
100 livre Antonio Fantim da Itália 1:06.24 1:08.39
200 livre Francesco Bocciardo da itália 2:23.65 2:26.51
50 costas Lichao Wang da China 32.94 34.95
50 borboleta Lichao Wang da China 32.94 33.98

 

Daniel vai para Tóquio 2020 de uma outra forma. Está com outro programa, mais especializado e mais focado em menos provas. Este ano tem dois grandes desafios e saberemos com mais precisão as suas reais chances para os Jogos Paralímpicos. Vai estar em Lima, de 23 de agosto a 1o de setembro para os Jogos Para Pan Americanos e de lá vai direto para Londres, na Grã-Bretanha, onde disputa o Mundial de 9 a 15 de setembro.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *