Mitchell Larkin celebra o recorde nos 200 costas.

Mitchell Larkin celebra o recorde nos 200 costas.

Os bons tempos nas finais da Seletiva Australiana continuam. No penúltimo dia de competições, o grande destaque foi o velocista Eamon Sullivan e sua volta depois de um ano e meio fora das competições fazendo a sua melhor marca sem trajes e tomando a liderança do ranking mundial dos 50 livre. Confira como foi o quinto dia de finais na Austrália prova a prova:

200 costas masculino –
Nada melhor do que abrir o dia com um recorde. Australiano e do Commonwealth por Mitchell Larkin de 20 anos que já havia vencido os 100 costas, agora leva os 200 com a segunda melhor marca do mundo este ano 1:55:26. O recorde australiano era de Ashley Delaney com 1:55:82 e o recorde do Commonwealth era do britânico James Goddard com 1:55:58.
Matson Lawson também fez boa prova e chegou em segundo lugar om 1:56:35, terceiro tempo do mundo nesta temporada. Josh Beaver completou o pódio com 1:56:83, quinta marca do ranking.
Nos parciais de Larkin 27:13, 56:47 (29:34), 1:25:84 (29:37) e 1:55:26 (29:42).
Kosuke Hagino do Japão continua na liderança do ranking desta temporada com 1:54:77 feitos num torneio internacional em Tóquio.

800 livre feminino –
Jessica Ashwood vencu com facilidade e em “negative split”. Sua marca 8:22:51 não é o melhor este ano. Em janeiro, ela venceu o Estadual de New South Wales com 8:19:76 que permanece como melhor tempo do mundo em 2014. Nos 8:22:51 ela passou com 4:12:14 e voltou com 4:10:37.
Alana Bowles de apenas 16 anos, destaque do Mundial Júnior em Dubai no ano passado ficou em segundo com 8:30:52 e Laura Crockart em terceiro com 8:31:84.

50 livre masculino semifinal –

Sullivan dando entrevistas após a prova.

Sullivan dando entrevistas após a prova.


Parece que o “break” de um ano e meio fez bem a Eamon Sullivan. Venceu a semifinal com 21:65, sua melhor marca pessoal sem trajes e assumindo a liderança do ranking mundial de 2014 passando César Cielo e seus 21:74.
Agora são cinco nadadores na casa dos 21 segundos nesta temporada. E foi só Sullivan que conseguiu isso nas semifinais de hoje.
James Magnussen chegou em segundo lugar com 22:07 seguido de perto por Cameron McEvoy com 22:08. Cameron Jones com 22:87 foi o oitavo e último para entrar na final que acontece na etapa de domingo encerramento da seletiva.
Eamon Sullivan tem como melhor marca pessoal 21:28 feitos na Seletiva Olímpica de 2008. Na época, era recorde mundial. Seu melhor sem trajes era 21:88 feitos em 2012 na seletiva para a Olimpíada.

50 costas feminino semifinal –
Emily Seebohm foi a primeira a nadar para 27. Venceu a semifinal com 27:96, terceira melhor marca do mundo em 2014. Madison Wilson ficou em segundo com 28:25 e Meagen Nay em terceiro com 28:74.
A jovem Minna Atherton de apenas 13 anos ganhou a oitava vaga para a final marcando 29:43.
A britânica Georgia Davies com 27:80 é a líder do ranking mundial deste ano.

100 peito feminino –
Uma prova apertada e com as três primeiras colocadas na casa dos 1:07, todos os tempos entre os 10 melhores do mundo este ano. Venceu Lorna Tonks com 1:07:31, cinco centésimos mais lento do que havia feito na semifinal.. Leiston Pickett em segundo lugar com 1:07:56 e Sally Hunter completando o pódio com 1:07:73.
Em 2014, apenas a dinamarquesa Rikke Pedersen conseguiu nadar abaixo dos 1:07. Ela lidera o ranking mundial com 1:06:19 feitos no Danish Open na semana passada.
Lorna Tonks é britânica de nascimento e se mudou para a Austrália em 2004 com 16 anos de idade. Depois de tentar e ficar de fora do time britânico para os Jogos de Atenas, ela se mudou para a Austrália onde vive desde então.

200 borboleta feminino –
As duas primeiras colocadas do ranking mundial garantiram suas vagas para o Commonwealth Games, porém não fizeram suas melhores marcas este ano. Madeline Groves, de 18 anos, conseguiu vaga para o seu primeiro Commonwealth vencendo a prova com 2:06:95 seguida de Ellen Gandy com 2:08:60. Groves tinha feito 2:06:81 no Campeonato Estadual de New South Wales em janeiro, tempo que se mantém como melhor do mundo este ano. O mesmo para Gandy, que nadou 2:07:06 no Campeonato Estadual de Victoria em fevereiro, segunda melhor marca da temporada.
O bronze na prova ficou para Brianna Throssell com 2:09:83 outra marca que entra nas 10 melhores do ano.
Nos parciais, Groves 27:82, 59:94 (32:12), 1:33:66 (33:72) e 2:06:95 (33:29).
Gandy 28:93, 1:01:81 (32:88), 1:34:68 (32:87) e 2:08:60 (33:92).

50 peito masculino –
Christian Sprenger deu mais um show. Bateu o recorde australiano com 26:74, segunda melhor marca da história na prova e melhor marca sem trajes. Melhor que este tempo só o recorde mundial de Cameron van der Burgh em 2009 com 26:67.
Seu melhor era 26:78 do Mundial em Barcelona no ano passado quando ficou em segundo lugar atrás de van der Burgh.
Agora, Sprenger lidera o ranking mundial nos 50 e 100 peito e é segundo nos 200 peito. Sem dúvida, um dos grandes destaques desta seletiva.
Max Ireland chegou num distante segundo lugar com 28:07e Tommy Sucipto em terceiro com 28:18.
Na história dos 50 peito masculino, o Top 5 de todos os tempos agora tem:
1o Cameron van der Burgh 26:67
2o Christian Sprenger 26:74
3o Felipe França 26:76
4o Damir Dugonjic 26:83
5o Giulio Zorzi 27:04
6o João Gomes Júnior 27:05
7o Felipe Lima 27:11

100 livre feminino –
Dobradinha das irmãs e o primeiro 52 da temporada. Cate Campbell venceu com 52:68 seguida da irmã Bronte Campbell 53:02. Emma McKeon ficou em terceiro com 53:57 e Melanie Schlanger ficou em quarto empatada com Brittany Elmslie ambas com 54:06.
Na semifinal, Schlanger havia sido melhor com 53:78 contra 54:20 de Elmslie.
Cate Campbell liderou de ponta a ponta passando com 25:14 e voltando com 27:54.
No ano passado, quando Cate foi campeã mundial dos 100 livre com 52:34 ela passou com 24:85 e voltou com 27:49. O recorde australiano é dela, feitos na abertura do revezamento 4×100 livre no Mundial de Barcelona com 52:33. O recorde mundial continua com a alemã Britta Steffen com 52:07 no Mundial de Roma em 2009.

100 borboleta masculino –
Cinco primeiros colocados nadaram na casa dos 52 segundos. Christopher Wright venceu com 52:16, novo tempo líder do ranking mundial, seguido de Tommaso D’Orsogna, agora segundo colocado no ranking com 52:21. Jayden Hadler chegou em terceiro com 52:33.
Albert Subirats da Venezuela que havia vencido os 100 borboleta nos Jogos Odesur com 52:26 agora é o terceiro do mundo.
Os australianos agora no ranking mundial dos 100 borboleta em 2014 possuem o primeiro, segundo, quarto, sexto e sétimo posto.

2 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *