Há 10 anos, no dia 29 de março de 2008, na seletiva olímpica australiana, em Sydney, a então Lisbeth Lenton, fazia a sua primeira competição com o nome de casada, Libby Trickett, e se tornava na primeira mulher a nadar a prova dos 50 metros nado livre abaixo dos 24 segundos.

Trickett, então com 23 anos de idade, se preparava para a sua segunda Olimpíada e quebrava o recorde mundial da prova com 23.97 e que havia sido quatro dias antes pela holandesa Marleen Veldhuis com 24.09. Na Olimpíada, meses depois, Trickett ficou em quarto lugar com 24.25. Estes 23.97 foi a primeira e única vez que a australiana quebrou a barreira dos 24 segundos.

Desde então, são 21 vezes que nove mulheres conseguiram nadar abaixo da barreira dos 24 segundos. O atual recorde é da sueca Sarah Sjoestroem. É ela quem mais vezes nadou para 23, são oito vezes. Depois, Cate Campbell com seis e a holandesa, já aposentada, Marleen Veldhuis com duas.

O recorde mundial de Libby Trickett de 2008 hoje ocupa a 18a posição no ranking da prova. Desde então, a marca foi quebrada três vezes.

Uma estatística mostra o quanto tem sido quebrar barreiras. Os 50 metros nado livre foram introduzidos oficialmente pela FINA em 1986. Desde então:

* As mulheres demoraram cinco anos para quebrar a barreira dos 26 segundos.
* A barreira dos 25 segundos demorou oito anos.
* Para a barreira dos 24 segundos foram 10 anos.

Hoje, completamos os 10 anos da marca 23.97, e com os 23.67 do recorde mundial atual de Sarah Sjoestroem, ainda estamos um tanto longe da barreira dos 23 segundos.

Lisbeth Constance Lenton Trickett, está com 33 anos. Se aposentou em 2013, após uma lesão no punho. Na sua carreira, sete medalhas olímpicas, 15 medalhas em Mundiais de Longa, 12 medalhas em Mundiais de Curta e 7 medalhas em Commonwealth Games. Na sua carreira, foi recordista mundial dos 50 e 100 metros nado livre em piscina longa, e dos 100 e 200 metros nado livre e 100 metros borboleta em piscina curta. Todos os recordes já foram quebrados.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *