Disputa equilibrada com vários revezamentos em destaque, mas os dois mais votados foram das mulheres. Por um voto a mais do Painel de Especialistas o 4×200 metros nado livre da Austrália campeão e recordista mundial bateu o 4×100 metros medley dos Estados Unidos, também campeão e recordista mundial. As duas provas foram em Gwangju reforçando a impressão da constante evolução da natação feminina nesta década. Não tivemos nenhum recorde mundial batido nos revezamentos masculinos em piscina longa no período de 2011 a 2020.

 

 

O 4×200 livre feminino de Gwangju foi especial. A briga entre americanas e australianas havia começado no ano anterior na disputa do Pan Pacífico em Tóquio. Lá, as australianas venceram com apenas 25 centésimos de vantagem numa vitória surpreendente de 7:44.12 contra 7:44.37. A Austrália liderou de ponta a ponta desde o primeiro parcial de abertura de Ariarne Titmus com 1:55.27, mas sabia que as americanas iriam atacar no final, e aconteceu, Katie Ledecky fechou 1:53.84, o quarto melhor parcial de revezamento 4×200 de todos os tempos.

 

O que havia sido surpresa no ano anterior, agora era uma batalha já esperada e que ganhou nova conotação com a doença que abalou Katie Ledecky no meio do Mundial de Gwangju. Mesmo assim, Ledecky apareceu para nadar a prova e ganhou nova missão, agora seria a segunda a cair na água.

Ariarne Titmus repetiu a missão de abrir, 1:54.27, cinco centésimos melhor do que havia feito na prova no dia anterior quando ficou com a prata. Saiu na frente e estabeleceu novo recorde continental para a Oceania batendo a velocista Simone Manuel que com 1:56.09 fez um parcial que nem a comissão técnica americana estava esperando.

Madison Wilson na água contra Katie Ledecky. A americana nada 1:54.61 e consegue entregar na frente por três décimos contra os 1:56.73 de Wilson. No terceiro parcial, equilíbrio, Melanie Margalis faz 1:55.81 contra 1:55.60 de Brianna Throssell, as americanas ainda na frente, vantagem de apenas 9 centésimos.

Emma McKeon foi melhor, 1:54.90 contra 1:55.36 de Katie McLaughlin e a vitória com 7:41.50, novo recorde mundial. Estados Unidos em segundo 7:41.87, também abaixo da antiga marca da China, ainda remanescente do Mundial de Roma em 2009, 7:42.08.

 

Revezamento da Década 2011-2020 Austrália 4×200 livre no Mundial de Gwangju com Ariarne Titmus, Madison Wilson, Brianna Throssell e Emma McKeon.

Também foram nominados: 4×100 medley feminino dos Estados Unidos recorde mundial em Gwangju 2019, 4×100 livre masculino da Austrália campeão mundial em 2011 e 4×200 livre masculino dos Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de Londres 2012.

 

Vídeo resumo da prova: 

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *