Com o fim da Seletiva Olímpica, o Brasil já concluiu suas chances de obtenção de marcas em busca das vagas para a repescagem dos revezamentos que ainda não estão classificados para Tóquio. Abaixo, relacionamos os tempos alcançados pelas nossas equipes e as posições intermediárias. O período de obtenção de marcas termina no dia 31 de maio e em junho a FINA oficializa quem serão as quatro equipes que serão chamadas para se juntar as 12 já classificadas do Mundial de Gwangju em 2019.

Revezamento 4×100 metros nado livre feminino
1o França 3:35.64
2o Brasil 3:38.59
3o África do Sul 3:40.29
4o Dinamarca 3:40.91

Revezamento 4×200 metros nado livre feminino
1o Itália 7:59.68
2o Brasil 8:00.92
3o Grã-Bretanha 8:03.77
4o África do Sul 8:04.71

Revezamento 4×100 metros medley feminino
1o Coreia do Sul 4:03.38
2o Finlândia 4:03.49
3o Hong Kong 4:03.52
4o Belarus 4:03.61
5o Polônia 4:04.27
6o França 4:04.32
7o Dinamarca e Brasil 4:04.33

Revezamento 4×100 metros medley misto
1o China 3:38.41
2o Japão 3:44.75
3o Brasil 3:45.51
4o Coreia do Sul 3:47.92

14 respostas
  1. Rafael Oliveira
    Rafael Oliveira says:

    Uma injustiça o que fizeram com o Felipe. A CBDA criar uma regra absurda permitindo uma tomada de tempo para uma nadador que não classificou para a final. Para a sorte da CBDA, é bem provável que dois revezamentos Femininos e o Misto se classifiquem, somando 12 vagas de relay only e 11 preenchidas, ou seja, vai sobrar uma vaga e o Felipe será convocado como reserva do 4x100m livre.

    Responder
  2. Guilherme Freitas
    Guilherme Freitas says:

    Revezamento 4x100m livre feminino e 4x100m medley misto me arrisco a dizer que já estão dentro. Muito difícil ficarem de fora. O 4x200m livre feminino corre sérios riscos por causa do Campeonato Europeu. Já o 4x100m medley feminino esta fora. Infelizmente não tem chance de ir a Tóquio.

    Responder
  3. Pedro
    Pedro says:

    Eu entendo a frustraçao do quarto colocado, porem isso nao é “uma final Olimpica”. É uma seletiva para a formaçao do melhor time possivel. Foi dado o direito ao nadador que perdeu a chance de nadar na final (Gabriel). Ele nao somente superou os outros nadadores como fez o indice para nadar individualmente. Ao inves ficarem reclamando do fato de um nadador MAIS RAPIDO ter conseguido uma vaga, o mais LOGICO para o proprio beneficio da seleçao seria argumentar que Felipe Ribeiro fosse convocado como “reserva” para os 4×100, com direito ate a nadar nas eliminatorias dependendo da performance dele na Olimpiada. Nesse modo poderiamos ate poupar o nadador mais rapido da selecao nas eliminatorias. A partir disso, o tempo mais lento das eliminatorias sairia e abriria espaço para o mais rapido nadar na final. Mania de “regulamento isso” e “regulamento aquilo”. Michael Phelps nadou revezamentos pelos EUA em Olimpiadas sem nem ter nadado o 100livre! Isso é uma seletiva, entao a experiencia do nadador pesa em certas decisoes. O Gabriel tem experiencia em Mundiais e Olimpiada. É de grande interesse para a seleçao que ele nade o revezamento.

    Responder
  4. Telma
    Telma says:

    Ninguém teve coragem de comentar na transmissão que Etiene enterrou o revezamento 4×100 Medley feminino. Qualquer tempo razoável que ela faz tranquilamente, classificaria o Brasil. Foram muitas provas que ela fez e o cansaço tomou conta, uma pena.

    Responder
  5. Telma
    Telma says:

    Na minha opinião já que é pra ser mais justo. Gabriel deveria disputar os 100 livres e o Felipe o revezamento 4×100. Até porque é melhor ter dois nadadores disputando individual, do que só um. Ah, Felipe poderia nadar a classificação do revezamento e Gabriel a final, porque ele não nada bem de manhã. Tudo certo e todos satisfeitos, com mais chance para o Brasil.

    Responder
    • Pedro
      Pedro says:

      Exatamente! Felipe nada a eliminatoria e o Gabriel na final ou poderiamos poupar o nadador mais rapido do Brasil na eliminatoria e tirar o mais lento das eliminatorias e abrir o espaço para o mais rapido. Se nas eliminatorias da Olimpiada o Felipe se mantiver entre os 3 mais velozes, ele garante seu lugar na final do rev.

      Responder
    • ALEXANDRE ALENCAR DA COSTA
      ALEXANDRE ALENCAR DA COSTA says:

      Verdade! Pensando melhor seria mais justo. A culpa não é da CBDA e sim do atleta que se envolveu no doping. (Se for julgado culpado é claro).

      Responder
  6. ALEXANDRE ALENCAR DA COSTA
    ALEXANDRE ALENCAR DA COSTA says:

    Apoiado Sandro! Em todos seus argumentos. O jeitinho arranjado da CBDA de corrigir o problema do doping acabou gerando outro grave problema com um nadador que não tem nada a ver com a história. No Brasil até o passado é incerto. Admiro o Gabriel e o tempo que ele fez nadando sozinho, mas colocou em jogo toda a organização da competição e o trabalho dos outros 3 do Rev. que não tinham nada a ver com a história. Uma verdadeira lambança da CBDA. Algo que não é raro.

    Responder
    • ALEXANDRE ALENCAR DA COSTA
      ALEXANDRE ALENCAR DA COSTA says:

      Repensei a situação e acredito que a CBDA não é a culpada. Ela tentou resolver uma situação criada por um atleta. Este atleta, se julgado culpado, deve sofrer as consequências cabíveis.

      Responder
  7. Sandro
    Sandro says:

    Acho que não foi justo com o Felipe Ribeiro Souza um atleta nadar separado e sozinho, em um outro dia, depois de encerrada final, e ainda tomar a vaga de quem nadou a final. Vamos supor que isso tenha acontecido em plena olimpíada, que o Gabriel Silva tenha ficado em nono na semifinal e, portanto, fora da final, e que a final dos 100m livre tenha sido em uma quarta-feira, e aí descobrem que algum dos 8 finalistas olímpicos estava dopado e, na sexta feira, resolvem fazer uma tomada de tempo com o Gabriel, sozinho, em plena olimpíada, e o Gabriel consegue um tempo nadando sozinho que lhe dá direito a tomar o lugar de alguém que nadou a final e estava no pódio! Isso é completamente impensável.Esse negócio de nadar sozinho, na melhor raia, sem a pressão dos adversários do lado e depois da final, e sem que isso estivesse previsto em nenhum regulamento, é injusto com quem nadou dentro do previsto e fez seu tempo se classificando normalmente pra final e nadando com os outros concorrentes, até porque ele não estava com Corona Vírus, que seria a exceção prevista no regulamento para que alguém nadasse no dia 12 de Junho de 2021. Mas o que aconteceu foi totalmente fora do regulamento, foi mudar as regras do jogo, depois de encerrada a final. Se realmente André Calvelo estiver dopado, quem tem o direito de ficar com a vaga do revezamento é o Felipe Ribeiro Souza que disputou a final dos 100m livre com todo mundo nadando no dia final, conforme previa o regulamento. Então pra que serve o regulamento, se não é pra ser cumprido? A única hipótese de Gabriel Silva ter nadado em outra oportunidade seria se ele tivesse testado positivo para Corona Vírus, e mesmo assim, só nadaria no dia 12 de Junho de 2021, e além disso, Gabriel disputou a eliminatória da prova e não conseguiu se classificar para a final, logo, a vaga no revezamento 4×100 tem que ficar com algum nadador que disputou a final, e esse nadador é o Felipe Ribeiro Souza, por justiça e pelo cumprimento das regras do regulamento!

    Responder
  8. Sandro
    Sandro says:

    Felipe Ribeiro Souza cumpriu todo o regulamento, nadou as elimnatórias no dia certo, se classificou para a final, e nadou a final também no dia certo, e, por tudo isso, merece a vaga no revezamento. Não se pode adotar dois pesos e duas medidas e mudar as regras depois da final. Felipe conquistou sua vaga nadando sob pressão ao lado dos outros concorrentes e não em uma tomada de tempo sozinho, na melhor raia, sem marolas e sem pressão dos concorrentes depois da final já ter sido encerrada. Portanto, Felipe Ribeiro Souza não pode ser injustiçado e merece a vaga no revezamento 4×100 livre em Tóquio.

    Responder
  9. Sandro
    Sandro says:

    Considero que a melhor condição é a do 4×100 medley misto que fez uma tempaço e bateu o recorde Sul-Americano, até porque a maioria das equipes europeias, EUA e Canadá já estão classificados e o Brasil não corre tantos riscos assim. Já o 4×200 livre feminino corre o risco de ser ultrapassado pelas equipes europeias que vão nadar o Campeonato Europeu na Hungria, além do que os tempos das brasileiras nos 200m livre estava também muito longe do índice individual. Não vejo chances para o 4 x 100 medley feminino. No 4×100 m livre há grnade chances de ficar entre as 4 classificadas pelo ranking mundial.

    Responder

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *