2022, o primeiro ano da história da natação mundial que terá dois Mundiais Absolutos na mesma temporada. Olhando o 2022 fizemos a busca na história para os registros e as efemérides deste ano. Confira o levantamento da Best Swimming:

1922 – Há 100 anos, ano importante na história da natação mundial. Johnny Weissmuller quebrava o recorde mundial dos 100 livre pela primeira vez, no dia 19 de julho de 1922 marcando 58.6, era a primeira vez que um homem nadava a prova abaixo da barreira do minuto. O recorde anterior era de Duke Kahanamoku com 1:00.4 dos Jogos Olímpicos de 1920, na Antuérpia. Weissmuller, o mais famoso Tarzan da história do cinema, ainda bateria o recorde mundial dos 100 livre em 1924 com 57.4.

1947 – Há 75 anos, o mundo se preparava para a volta dos Jogos Olímpicos no maior hiato da história em sua disputa. Faltando um ano para os Jogos de Londres em 1948, o grande evento esportivo do ano foi a volta dos Jogos Mundiais Universitários. Foi em Paris, na França, evento que marcou a retomada das competições mundiais e seria precursora das Universíades. Dois anos depois, em 1949, nascia a FISU, Federação Internacional do Esporte Universitário. Em 1947, os americanos dominavam a natação mundial com amplo controle do masculino e no feminino a grande força era o time da Dinamarca.

1972 – Há 50 anos, Mark Spitz fez história no Olympia Schwimmhalle, em Munique, na Alemanha. Antes do ataque terrorista que paralisaria os Jogos Olímpicos daquele ano, Spitz ganhou sete medalhas de ouro e estabeleceu sete novos recordes mundiais. A natação olímpica teve 532 atletas de 52 países. No feminino, o grande nome foi Shane Gould da Austrália, cinco medalhas, sendo três de ouro.

1982 – Há 40 anos, Guyaquil, no Equador recebeu a 4a edição do Campeonato Mundial dos Esportes Aquáticos e um evento histórico para o Brasil. Ricardo Prado se tornou no primeiro campeão mundial de natação para o Brasil ao vencer os 400 metros medley estabelecendo novo recorde mundial para a prova com 4:19.82.

1992 – Há 30 anos, medalha de prata para Gustavo Borges nos Jogos Olímpicos de Barcelona. Foi a famosa prova que Gustavo Borges chegou em segundo e o placar eletrônico lhe colocou em oitavo. O brasileiro sofreu por alguns minutos até que o protesto fosse analisado e revisto corrigindo a colocação e lhe dando sua primeira medalha olímpica, prata atrás apenas do russo Alex Popov.

2002 – Há 20 anos, Campeonato Mundial de Piscina Curta em Moscou, na piscina do Olympinski, a mesma que recebeu os Jogos Olímpicos de 1980, competição que teve 599 nadadores de 92 países. Brasil voltou com duas medalhas, prata para Gustavo Borges nos 200 livre com 1:45.67 e bronze para Eduardo Fischer na prova dos 50 peito com 27.26.

2012 – Há 10 anos, Jogos Olímpicos de Londres, competição marcou a primeira despedida de Michael Phelps que assinou os papéis de aposentadoria ali mesmo na piscina logo após receber uma homenagem da FINA como o Melhor Nadador de Todos os Tempos. Cesar Cielo ficou com o bronze nos 50 livre e o Brasil comemorou muito a prata de Thiago Pereira nos 400 metros medley, sua primeira medalha olímpica.

2017 – Há 5 anos, CBDA entra em uma profunda crise com prisão de seus dirigentes e uma intervenção determinada pelo poder público. O Brasil vai ao Mundial de Budapeste em plena crise e faz uma apresentação de luxo com destaque para a medalha de prata no revezamento 4×100 metros nado livre dando um calor nos Estados Unidos perdendo a prova por apenas 32 centésimos.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.