O jornal inglês The Times é patrimônio do jornalismo, dos maiores deste planeta. Estamos falando de um jornal que completou 236 anos no dia 1o de janeiro. Com tiragem diária de 400 mil exemplares, sua importância e história é muito maior que este número . De linha conservadora, o jornal apoiou Boris Johnson e tem uma tradição enorme no país.

A matéria publicada na edição de hoje e que apareceu no site do jornal ontem, traz o título de: “Japan looks for a Way out of Tokyo Olypics because of Covid”, na tradução, “Japão busca forma de cancelar a Olimpíada por causa da Covid”.

A matéria é assinada pelo jornalista Richard Lloyd Parry, um veterano profissional que já atuou em 29 países e trabalha como editor do The Times para a Ásia.No artigo, Parry descreve que “…um integrante do Governo atual revelou que já está configurada a impossibilidade de realização da Olimpíada por conta da Covid. O consenso é geral, mas ninguém quer ser o primeiro a dar a notícia…”.

A matéria explodiu como uma bomba. Repercutiu no mundo inteiro. Porém, saiu horas depois de Thomas Bach, Presidente do COI, dar uma entrevista a agência de notícias japonesa Kyodo News dizendo exatamente o contrário: “A Olimpíada sai de qualquer jeito”.

Não demorou muito para a repercussão da notícia no Japão. O Primeiro Ministro Yoshihide Suga já anunciou: “Estamos comprometidos em realizar os Jogos”.

A diretoria do Comitê Olímpico internacional está em reunião. Diariamente até a semana que vem, o Comitê Executivo faz reuniões com diferentes grupos, incluindo patrocinadores, Comitê Organizador e Comitês Olímpicos Nacionais. Na quarta-feira da próxima semana, a reunião será com a imprensa, quando vamos ter acesso a tudo que está sendo discutido nestes dias.

Neste momento, a única coisa que não se fala nestas reuniões, é o cancelamento da Olimpíada. O plano é manter os Jogos e assim será.

Quando a Olimpíada foi cancelada no ano passado, dia 24 de março, faltavam 121 dias para a abertura dos Jogos que seria no dia 24 de julho. Ontem, no dia da matéria do The Times faltam 181 dias para a Olimpíada. É prematuro demais. Aliás, é prematuro dizer que a Olimpíada não sai como diz o The Times, e como também é dizer que a Olimpíada sai de qualquer jeito, como está a dizer Thomas Bach.

Das maiores lições desta Pandemia, continua sendo o que vale para hoje, talvez não valha nada amanhã. Assim, é até injusto achar que o The Times está mentindo ao divulgar a notícia, o jornal, o jornalista, merecem muito crédito, mas está claro que largaram na frente, literalmente queimaram a largada. É cedo demais para isso.

Outro aspecto a ser considerado e que precisa ser destacado é que “um membro do Governo Japonês”, por mais alto que seja o seu cargo, não tem capacidade ou autoridade para cancelar a Olimpíada. Nem o próprio Primeiro Ministro Yoshihide Suga. A Olimpíada é um negócio de bilhões, muitos.

O evento tem contratos, patrocinadores, um seguro milionário, diversos interesses envolvidos, e jamais uma decisão como esta seria tomada de forma unilateral. Nem autoridade para isso este “membro do Governo Japonês” teria. Esta decisão, se vier a ser tomada, e até é possível que possa acontecer, será feita num conglomerado de pessoas e entidades interessadas e participantes deste processo.

Neste momento, não temos nada.

Aliás, o que temos é uma crise mundial. A Pandemia vive a sua pior fase globalmente e também no Japão. Recordes de casos, de mortes, de pacientes em estado grave e ocupação nos leitos de hospital.

Ao mesmo tempo, vem a esperança. Vivemos a fase da vacina. Existem 241 delas ainda sendo trabalhadas, 10 já sendo aplicadas e, 52 países ao redor do mundo. Até a publicação deste texto, já são 56,7 milhões de pessoas já vacinadas.

O Japão ainda está fora da vacinação. Está marcado para o dia 15 de fevereiro a aprovação da vacina Pfizer no país e o plano de vacinação começa no final do mês. O Governo Japonês pretende vacinar mais de 60% da população neste plano inicial.

Numa pesquisa global de 2016, os japoneses figuravam na terceira posição da população que mais contesta as vacinas. Ao mesmo tempo, uma pesquisa mais recente, indica que mais de 70% dos japoneses quer ser vacinado contra o Coronavírus. É um pouco menos do que os 80% dos japoneses que querem o cancelamento ou a nova transferência da Olimpíada. Os japoneses, com todo direito, querem saúde e estão preocupados com ela.

A Olimpíada corre risco, corre sim, pode ser cancelada, pode sim, mas não tem nada definido, nada mesmo.

Barrigada é o termo que o jornalismo brasileiro instituiu para quando uma notícia falsa é publicada ou divulgada. Muito antes das fake news, as barrigadas já aconteciam, as vezes mais, as vezes menos. Até a Best Swimming já cometeu algumas delas.

Agora foi a vez do The Times cometer a sua, esta história, por enquanto, não passa de um “Big Belly”.

Alex Pussieldi, editor chefe da Best Swimming 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *