André Calvelo levou a pena máxima na justiça esportiva pegou quatro anos de suspensão está fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio e Paris.

Na justiça da Internet, a punição também é grande, talvez até maior. A justificativa apresentada é zombada, memes que se multiplicam e ainda ganha destaque maior para o lado das preferências políticas. Em tempos de polarização, o caso fica ainda mais em projeção.

Não caí nesta.

Os memes até soam engraçados, mas a justificativa ficou clara que era uma estratégia da defesa de Calvelo. Não deu certo, a decisão do Tribunal rejeitou a versão do consumo da namorada compartilhando um copo de liquidificador.

O Propinato de Drostanolona é uma droga injetável e seu tempo de detectação no exame anti-doping é de até três semanas. Bastante utilizado no fisiculturismo, não é uma droga de uso singular, mas sim de um tratamento e um ciclo de aplicação.

Calvelo testou positivo no teste surpresa de 18 de março. Estava no Rio de Janeiro em training camp. Na defesa apresentada, a suposta contaminação teria acontecido 11 dias antes ao usar o copo de liquidificador compartilhado.

Respeito, e admiro, demais a dupla de advogados que esteve na defesa de André Calvelo. São dois dos melhores dos profissionais do país nos processos de doping. E até entendo qual era o objetivo.

A absolvição era impossível. A intenção sempre foi a redução da pena. Tentar levar para a involuntariedade e uma defesa de uso por acidente.

Advogados servem para isso. Não é burlar a lei, mas buscar brechas em defesa de seus clientes. O liquidificador era parte desta estratégia. Deu certo em casos anteriores, onde namoradas e noivas assumiam o uso das substâncias compartilhada “por acidente” com os seus parceiros. Desta vez não funcionou.

Suspensão por duas Olimpíadas é duro e não vai ser nada fácil de ser digerido. Também será dura, e cara, uma possível apelação ao Tribunal da Corte Suprema do CAS/TAS, única opção para Calvelo se quiser permanecer no esporte.

Lá, vão ser necessários elementos ainda mais convincentes para um uso involuntário e uma possível redução de pena. Também não vai funcionar se apresentar fardado, provavelmente outra estratégia da defesa que deu errado.

André Calvelo foi apresentado como um bom filho (e sei que é), ajuda diretamente nas finanças da casa, mas o argumento apresentado não foi suficiente para sensibilizar os juízes.

Pena máxima pelo teste analítico adverso era uma possibilidade forte desde o início. E aconteceu. André Calvelo foi punido pela justiça esportiva e pode vir a tentar uma possível, porém improvável apelação com melhores resultados.

Este liquidificador saiu caro.

Por Alex Pussieldi, editor chefe da Best Swimming.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *